Falando a verdade sobre as “Católicas” pelo direito de decidir

Um texto da nossa nova adm. Branca Conservadora

 

10354132_906303986119713_1879489579365651420_n

“Olá pessoal! Tudo bem?

Depois de todas as atrocidades que eu ouvi, eu resolvi falar a verdade sobre as “Católicas” pelo o direito de decidir. É claro que esse post falará apenas da pura verdade através de uma mulher católica de verdade.

Antes de falar sobre o fato de que feminismo e cristianismo são duas coisas que não combinam, eu vou começar apenas dando uma breve olhada no site dessas moças. Assim que entro no site, me deparo logo com a seguinte notícia:

católicasimbecis3

Antes de qualquer coisa, as cidadãs já começam errando utilizando um termo que não possui significado algum, o de “católica praticante”. Primeiramente isso não existe, ou você é católico ou você não é. Isso pode ser claramente explicado por um exemplo bem boçal, por exemplo, se você se diz pagodeiro mas não escuta pagode, isso não te torna pagodeiro… certo? Pois bem, essas pessoas que se dizem “católicas praticantes ou não praticantes” são simplesmente pessoas que vivem um catolicismo falso, já que este termo é abominado pelos verdadeiros católicos. Ou seja, não existe essa coisa de praticante ou não. Se você não pratica, é por que você não é. Simples( lembra do pagode). Eu não sei você, mas eu não confio em gente que fala isso.

A segunda coisa é que, além de feminismo e catolicismo não combinarem, outra coisa que também não combina é aborto e cristianismo. Sem muito esforço, todas as pessoas sensatas sabem que os cristãos são contra o aborto( não que seja necessário ser cristão para ser contra o aborto). Mas apenas o fato de sermos a favor da vida e contra a morte, já nos faz automaticamente duas coisas: contra o aborto, ou seja, pró-vida e alvos de ataque para os grupos feministas.

2

No começo do texto, a moça já começa dizendo que a “visão religiosa” pune e restringe a sexualidade humana e para isso, foi necessário para escrever o texto desviar da visão religiosa. Mas como assim pune e restringe? Ela quis dizer castidade,pureza, matrimônio, fidelidade…?

Depois, ela conclui que mesmo sendo católicas as mulheres devem possuir o “direito” de interromper a gravidez se elas quiserem. Nesse momento elas se separam da própria fé, por que praticamente dizem” se for necessário a gente vai contra a nossa própria fé, que “professamos” para fazer o que nós queremos”.

Onde marquei o número cinco, podemos ver que novamente ela afirma que não importa lei ou moral mas a sua consciência, ela estando certa ou não. Eu achei engraçado por que ela não diz ONDE no Catecismo se encontra essa citação mas como, aqui a gente não é assim, eu vou explicar.

Se formos verdadeiramente pesquisar no Catecismo da Igreja Católica, vamos encontrar no C.65 Consciência a frase retirada, que  foi do §1800 mas não pode retirá-lo assim sem analisar todos os outros parágrafos juntamente com o tema. Então vamos lá 😉

Este conteúdo pode ser encontrado em IV.O juízo errôneo, começando no parágrafo 1790( vou falar e concluir até o 1802), ele diz o seguinte: O ser humano deve sempre obedecer ao juízo CERTO de sua consciência. Se ele agisse DELIBERADAMENTE contra este último, estaria condenando a si mesmo, mas pode acontecer que a consciência moral esteja na ignorância e faça juízos errôneos sobre atos a praticar ou já praticados.

Essa parte pode ser um pouco perigosa, pois é aceito que a moral pode errar por causa da sua ignorância mas isso não pode ser aplicado ao aborto por que, que eu saiba ninguém aborta sem saber que abortou( além dos abortos naturais e uso de anti-concepcionais quando a pessoa NÃO SABE que este também é um método abortivo, mas mesmo assim, nesse caso do anti-concepcional não retira a culpa ou responsabilidade da cidadã já que não custa nada pesquisar um pouquinho). Além disso, não se fala somente do aborto mas da legalização dele.

Seguindo:

  • 1791:   Muitas vezes esta ignorância pode ser imputada à responsabilidade pessoal. É o que acontece “quando o homem não se preocupa suficientemente com a procura da verdade e do bem, e a consciência pouco a pouco, pelo hábito do pecado, se torna quase obcecada”. Neste caso, a pessoa é culpável pelo mal que comete.

Então, queridos, eu acho que não preciso explicar esse, já que ele explica o que eu falei antes mesmo de ter chegado até ele.

  • 1792 A ignorância de Cristo e de seu Evangelho, os maus exemplos de outros, o servilismo às paixões, a pretensão de uma mal-entendida autonomia da consciência, a recusa da autoridade da Igreja e de seus ensinamentos, a falta de conversão ou de caridade podem estar na origem dos desvios do julgamento na conduta moral.
  • 1793 Se – ao contrário – a ignorância for invencível ou o julgamento errôneo não for da responsabilidade do sujeito moral, o mal cometido pela pessoa não lhe poderá ser imputado. Mas nem por isso deixa de ser um mal, uma privação, uma desordem. É preciso trabalhar, pois, para corrigir a consciência moral de seus erros.
  • 1794 A consciência boa e pura é esclarecida pela fé verdadeira, pois a caridade procede ao mesmo tempo “de um coração puro de uma boa consciência e de uma fé sem hipocrisia” (l Tm 1,5).

“Quanto mais prevalece a consciência reta, tanto mais as pessoas e os grupos se afastam de um arbítrio cego e se esforçam por conformar-se às normas objetivas da moralidade.”

Então, eu preciso falar mais alguma coisa? Acho que os parágrafos já falam por si, mas mesmo assim, vou falar sobre o 1792 sobre a “Ignorância de Cristo e de seu Evangelho” depois, para os que ficaram com dúvida.

A partir deste parágrafo simplesmente o próprio Catecismo acaba com essa mentira que foi contada anteriormente pelas “Católicas”: Vamos lá! 😉

  • 1795 “A consciência é o núcleo secretíssimo e o sacrário do homem, onde ele está sozinho com Deus e onde ressoa sua voz. “
  • 1796 A consciência moral é um julgamento da razão pelo qual a pessoa humana reconhece a qualidade moral de um ato concreto.
  • 1797 Para o homem que cometeu o mal, o veredicto de sua consciência permanece um penhor de conversão e de esperança.
  • 1798 Uma consciência bem formada é reta e verídica. Formula seus julgamentos seguindo a razão, de acordo com o bem verdadeiro querido pela sabedoria do Criador. Cada qual deve usar os meios adequados para formar sua consciência.
  • 1799 Colocada diante de uma escolha moral, a consciência pode emitir um julgamento correto de acordo com a razão e a lei divina ou, ao contrário, um julgamento errôneo, que se afasta da razão e da lei divina.
  • 1800 O ser humano deve obedecer sempre ao julgamento certo de sua consciência.

Amados, a consciência moral é um JULGAMENTO DA RAZÃO pelo qual a pessoa humana reconhece a QUALIDADE MORAL de um ATO CONCRETO. Aborto não tem volta. No 1799 o próprio, até reforça o que eu disse, quando a consciência pode estar errada ou não( e por isso deve ser bem formada) mas isso não significa que só por que a “consciência” acredita que ela está certa, ela vai estar verdadeiramente certa. Dessa forma, a consciência não se aplica ou não inocenta ou legaliza o aborto. Por isso, §1800, o ser humano deve obedecer sempre ao JULGAMENTO CERTO de sua consciência. Mas calma, essa parte também é perigosa. Só por que o ser humano deve obedecer sempre ao julgamento certo de sua consciência não significa que deve ser feito aquilo que ele considera que é certo. Por isso, é necessário que seja lido o resto dos outros parágrafos.

E para isso: §1801 A consciência moral pode estar na ignorância ou fazer julgamentos errôneos. Essa ignorância e esses erros nem sempre são isentos de culpa.

  • 1802 A Palavra de Deus é luz para nossos passos. É preciso que a assimilemos na fé e na oração e a coloquemos em pratica. Assim se forma a consciência moral.

Seguindo com o texto, ela ainda diz que “Deus não vai julgar os seres humanos pelo seguimento de leis ou normas, mas sim pelo seguimento de sua consciência”. Claro que Deus não vai julgar os seres humanos pelo seguimento das leis, né? Ele não criou os dez mandamentos por causa disso. E outra, o que ela quis dizer com ” teologicamente”?

Olhando de um outro ponto, até faz um pouco de sentido o fato de que Deus julga pela consciência mas ele julga a consciência ATRAVÉS de suas leis.

Mas, vamos ver o que essa moça tem a dizer:

3

Partindo para o sexto ponto, ela utiliza Santo Tomás de Aquino( tadinho de São Tomás…) para inocentar a culpa do aborto por meio da consciência. Mas como essas mulheres não dizem onde encontraram as coisas e funcionam na base do control C, control V vamos falar a verdade:

Para iniciarmos bem, vamos ler o que o próprio Catecismo(mais precisamente YouCat) diz sobre o aborto:

Quinto mandamento: Não matarás!

Questão 378: Por que não se pode tirar a própria vida, nem a dos outros?

Só Deus é o Senhor da vida e da morte. Exceto em caso de legítima defesa, ninguém pode matar ninguém[2258-2262,2318-2320]

No livro do Êxodo, diz-se claramente: Não matarás( Ex 20,13)

Atentar contra a vida é um delito contra Deus, é sua propriedade. Até a nossa própria vida nos foi apenas confiada. Foi o próprio Deus que nos ofereceu a vida; só Ele no-la pode tomar.

Questão 379: Que atentados estão implícitos na proibição de matar?

Implícitos estão o homicídio e a cumplicidade no assassínio. Implícitos estão os crimes de guerra. Implícita está a interrupção voluntária da gravidez(aborto) de um ser humano, desde a sua concepção. Implícito está o suicídio, a automutilação e auto-destruição. Implícita está a eutanásia, ou seja, matar pessoas portadoras de deficiência, doentes e moribundos[2268-2283,2322-2325]

Hoje, a proibição de matar é frequentemente disfarçada com argumentos aparentemente humanos. Todavia, nem a eutanásia nem o aborto são soluções humanas. Por isso, a Igreja não tem qualquer dúvida relativamente a tais questões: quem participa num aborto, força alguém a praticá-lo ou o aconselha a fazer é automaticamente excomungado, como no caso de qualquer outro atentado contra a vida.Quando uma pessoa psiquicamente doente comete suicídio, a responsabilidade por isso não raramente é limitada; muito frequentemente é até reduzida.

Indo mais além em direção ao assunto do aborto: Questão 383: Por que não é aceitável o aborto em nenhuma fase do desenvolvimento embrionário?

A vida, concedida por Deus, é uma posse direta;é sagrada desde o primeiro instante e deve ser preservada de qualquer atentado humano. <Antes de te formar no ventre materno, Eu te escolhi. Antes que saísses do seio de tua mãe, Eu te consagrei.> (Jr 1,5) [2270-2274, 2322]

Só Deus é o Senhor da vida e da morte. Nem sequer a “minha” vida me pertence. Cada criança tem direito à vida desde a sua concepção. Desde o início, o nascituro é uma pessoa própria, cujo círculo de direitos ninguém deve violentar, nem o Estado, nem o médico, nem mesmo a mãe. A posição da Igreja não é carente de misericórdia; aliás, ela pretende alertar para os danos que são causados à criança morta, aos pais e a toda a sociedade, e que nunca mais poderão ser reparados. Proteger a vida inocente pertence às mais nobres tarefas do Estado; se ele se furtar a esta missão, destrói ele próprio os alicerces do Estado de direito.

Questão 384: Pode uma criança portadora de deficiência ser abortada?

Não. Abortar uma criança portadora de deficiência é sempre um crime grave, mesmo quando o motivo é poupá-la de um sofrimento futuro.

Questão 385: Podem realizar-se investigações em embriões vivos e em células estaminais embrionárias?

Não. Os embriões são seres humanos por que a vida humana começa com a fusão de um espermatozoide com um óvulo[ 2275,2323]

Considerar os embriões um material biológico, ” produzi-los” e “utilizar” suas células estaminais na investigação é absolutamente imoral e rejeitado pela proibição de matar. Algo diferente são as investigações em células estaminais adultas, que não tem a capacidade de se transformar em pessoas. As intervenções médicas realizadas no embrião só se justificam se a sua intenção for a cura, se a vida e o desenvolvimento incólume da criança estiverem garantidos e seu risco da intervenção não for altamente desproporcionado.

Já que essas moças gostam de citações, vamos lá:

“O aborto e o infanticídio são crimes abomináveis” Gaudium et spes, n° 51

“Tudo o que se tem a saber sobre aborto encontra-se no V Mandamento”. Cardeal Christoph Schönborn

” Não deves abortar nem matar um recém-nascido” Doutrina dos doze apóstolos(2,2), século III

“Deus, dá-nos coragem para proteger a vida que está por nascer, pois uma criança é o maior dom de Deus a uma família, a um povo e ao mundo. ” Beata Madre Teresa, quando recebeu o prêmio Nobel da Paz

“A deficiência diagnosticada da criança não pode ser motivo para abortar, porque também a vida com deficiência é querida e apreciada por Deus, e porque nesta terra ninguém pode ter a certeza de viver sem limites físicos ou espirituais” Bento XVI, 28/09/2006

4

Agora a moça começa a utilizar termos filosóficos para inocentar o aborto. Antes de explicar o que é probabilismo, como não se pode impor uma regra moral quando existe dúvida? Vamos supor: Eu quero matar meu professor, mas estou com dúvida. Eu querendo matá-lo ou não, isso não importa já que eu estou em dúvida e por causa disso, não se deve aplicar qualquer tipo de lei(já que homicídio é crime) ou moral no meu ato ou em mim ou na minha consciência. Por que não se pode aplicar moral quando se há dúvida.
Falando do probabilismo (até mudei o tom de rosa), que ao meu ver não faz muito sentido com legalização de aborto, vamos lá:

Probabilismo já diz no nome que é algo provável, esperado. Quando se aprende probabilidade em matemática você entende esse raciocínio, mas aplicando em áreas filosóficas, probabilismo está ligado a indução, generalização, por exemplo, se todos os corvos observados até hoje são aves pretas com bico preto, provavelmente o próximo observado será uma ave preta com o bico preto (previsão).Desta forma você generaliza um caso, certo? Essa coisa de generalizar é bem comum das feministas, inclusive.

Chegamos ao ponto que eu acho que não faz sentido a relação: Ela fala do probabilismo utilizando a ideia de que não se pode impor uma regra moral quando existe dúvida. Bom, no probabilismo não há dúvida mas generalização, então TALVEZ, dessa forma não pode impor uma regra. Mas o que ela quis dizer com isso em relação ao aborto?

No aborto não tem dúvida. Não há generalização. É errado, é desumano, é cruel e sanguinário.

5

No oitavo ponto, ela utiliza a seguinte citação” ubi dubium, ib libertas”, ou seja, onde há dúvida, há liberdade. Porém, pelo o que eu estudei sobre essa frase o que ela quer dizer é quanto mais você questiona algo mais você se “liberta”, então a legalização do aborto, deveria ser questionada sem a visão religiosa novamente que só “cega” e “restringe” a sexualidade humana. Mas isso não parece um argumento ateísta para você? Pois para mim parece.

Seguindo no nono ponto, ela ainda diz” Estas são algumas das razões pelas quais, baseadas na fé religiosa, as feministas católicas( segure o riso, cidadão sensato) colocam como prioridade a defesa da vida das mulheres e não a defesa de uma posição moral que se fundamenta em princípios absolutos e abstratos. Ou seja, a fé, os dogmas, as leis e mandamentos são pilares absolutos e ao mesmo tempo abstratos, não concretos e sem sentido formado.Oi?
Além disso, que fé religiosa é essa? Defina isso para mim, eu achava que vocês estavam falando da fé cristã.
O argumento final é o típico argumento feminista egoísta que pode ser demonstrado na seguinte frase” Dizemos que somos a favor a vida desde que seja a nossa” e isso pode ser visto claramente nos tais doze direitos da mulher segundo a ONU. Mais precisamente no nono direito, onde você após ler todos os anteriores percebe que,segundo eles, a mulher tem todo o direito de fazer o que quiser da vida dela e ninguém pode ousar em interferir sua vida mas, mesmo assim, ela possui todo o direito de decidir/interromper a vida de outra pessoa.

Finalizando ela diz que “lutar” pela legalização do aborto no Brasil faz parte dos princípios( vale lembrar dos dez mandamentos que esses sim são os princípios que norteiam a fé cristã, não se esqueçam do quinto mandamento) que norteiam a fé cristã: a justiça social e o zelo pela vida. Justiça social do pobre oprimido e da mulher oprimida e do zelo pela nossa e somente nossa, vida.

Sobre a frase de Santo Tomás de Aquino ainda há controvérsias, pois como elas não disseram onde tem essa frase que (supostamente) foi dita por ele, eu não pude encontrar na Suma Teológica e nem em pesquisas. Mas mesmo assim, eu acabei explicando essa (suposta) frase nos parágrafos do Catecismo.E mesmo assim, segundo a Doutrina da Fé Católica excomungar alguém é praticamente dar para ele o passaporte para o Inferno, e em instância alguma um Santo diria algo desde tipo já que o certo é que um católico deve adequar a sua consciência ao ensino da Igreja, sempre suspeitando da primeira quando contradiz a segunda( frase de um príncipe conhecido meu perto da casa dos anões)

Para finalizar eu vou falar o óbvio: Feminismo e Cristianismo(Catolicismo) não combinam.
Mesmo que algumas fotos falem mais do que mil palavras, vou falar a verdade. O feminismo diz que a mulher é submissa, oprimida pelo homem e o cristianismo opressor foi esse fator determinante que estimulou essa opressão da mulher com seu machismo( isso explica as invasões que muitas feministas já fizeram em Igrejas para protestar contra o machismo da Igreja). Essa opressão estaria presente no fato da mãe ficar em casa cuidando dos filhos, no fato da maternidade até, na manutenção da castidade e pureza já que essas são as duas coisas que as feministas mais odeiam e repudiam. Ainda mais que o matrimônio segundo as feministas, foi uma invenção da Igreja para oprimir a mulher dentro de casa e torná-la propriedade(uso das alianças) dos homens. Então, como existiria um feminismo cristão? O feminismo diz até que o cristianismo na Sagrada Escritura, colocou a mulher( Eva) para ser a semeadora do pecado e não o homem. Olha que opressão. Então, como existiria um feminismo católico?
Acabei esquecendo de marcar mas essa passagem( Romanos capítulo 2, versículo 15 ao 16) não faz sentido algum! Vamos lá:
O nome do capítulo é “O juízo de Deus”: E ele após ser lido completamente o capítulo, entende-se que: Deus age na verdade em suas leis e por isso nos julga por meio delas.” Ora sabemos que o juízo de Deus contra aqueles que fazem tais coisas corresponde à verdade”( Rm 2,2) e ainda mais, observem só” Mas, pela tua obstinação e coração impenitente, vais acumulando ira contra ti para o dia da cólera e da revelação do justo juízo de Deus.”( Rm 2,5) ” Que retribuirá a cada um segundo as suas obras”(Rm 2,6)” A vida eterna aos que perseverando em fazer o bem, buscam a glória, a honra e a imortalidade”(Rm 2,8) “Mas ira e indignação aos contumazes, rebeldes à verdade e seguidores do mal.” (Rm 2,9) Até aí vocês viram algo contrário ao o que eu disse desde o início? Que Deus julga a nossa consciência através de suas leis e a consciência não inocenta seus atos?
“Todos os que sem a Lei pecaram, sem aplicação da Lei perecerão; e quantos pecaram sobre o regime da Lei, pela Lei serão julgados.”(Rm 2,12)Vale lembrar do quinto mandamento. “Porque diante de Deus não são justos os que ouvem a lei mas serão tidos por justos os que praticam a lei.”( Rm 2,13)
Prestem bastante atenção agora: “Os pagãos, que não têm a Lei, fazendo naturalmente as coisas que são da Lei embora não tenham a lei a si mesmo servem de lei.”(Rm 2,15) “Eles mostram que o objeto da lei está gravada em seus corações, dando-lhes testemunho a sua consciência bem como os seus raciocínios, com os quais se acusam ou se escusam mutuamente.”(Rm 2,16) “Isso aparecerá claramente no dia em que, segundo o meu Evangelho, Deus julgar as ações secretas dos homens, por Jesus Cristo.”
Os pagãos utilizam suas próprias leis em nome da sua consciência por meio de um discurso manipulável a favor deles indo contra as Leis de Deus.
Além disso, no cristianismo a mulher deve ser santa e não promiscua. E uma coisa que as feministas amam é promiscuidade feminina, vale lembrar que a Frida Kahlo segundo elas é um exemplo a ser seguido( claro, uma mulher promiscua e comunista) e não uma mulher pura como a figura das princesas que são tão oprimidas que vivem com os homens correndo atrás delas, seja em um cavalo branco ou quase morrendo se arriscando por elas ou salvando suas vidas.
Ainda vou mais além para fechar com chave de ouro: Feminismo é um movimento comunista. E quem matou milhões de cristãos ? Papai Stalin sabe muito bem como responder essa pergunta.O nível dessa contradição é o mesmo de que ” Sou um judeu nazista”.
Agradeço a todos que me apoiaram neste post e desejo a todos um bom dia.
Com amor, Branca.”

—————————————————————————————————————————————————————-
fontes:
Ps: Como a Branca de Neve disse que iria explicar o que significa o termo “A ignorância de Cristo e seu Evangelho”, bom, irei explicar: Esse termo se aplica para o contexto da ignorância das pessoas( e possível inocência) que pecaram antes de conhecer o Evangelho de Cristo. Isso já foi explicado nos parágrafos, mas mesmo assim: CLIQUE AQUI
Ps2: Link do texto: CLIQUE AQUI

Ps3: Link deste post no blog do Autêntico: CLIQUE AQUI

Olhem o Blog da Branca Conservadora – CLIQUE AQUI

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>