Lula o verdadeiro Príncipe de Maquiavel

 “A sede de poder é uma paixão tão poderosa quando a sede por vingança”

     Nicolau Maquiavel que viveu entre final do século XV até o início do século XVI, brilhantemente tornou-se referência no estudo da política. Sua obra mais famosa, o livro O Príncipe (1513) é hoje considera uma das mais poderosas ferramentas políticas já estudadas, entretendo Maquiavel também escreveu os livros, A Arte da Guerra (1519) e Discursos sobre a primeira década de Tito Lívio (1531).

     Mais recentemente, na história do Brasil, uma figura moldada nos ensinamentos de Maquiavel surge na política, e como previsto hoje é considerado um dos maiores líderes da nação Brasileira. Luiz Inácio Lula da Silva, é definitivamente O Príncipe de Maquiavel. A está hora o leitor não deve confundir elogios com reconhecendo.

     A ascensão de Lula a “herói” nacional, não é uma mera coincidência, tão pouco sua trajetória política. Analisando friamente os passos do ex-presidente, é possível ligar diversos eventos em que Lula se fez presente aos ensinamentos de Maquiavel.

     Maquiavel buscava um príncipe prudente, o poder só pode ser conquistado plenamente utilizando-se das faculdades mentais. Maquiavel compreendeu que influencia de amigos poderosos, exércitos e riquezas são precisos para a tomada do poder, todavia ele seguia a linha de pensamento que não basta somente ter os recursos e sim como, quando e onde podem ser usados, a quem pode-se confiar e a quem não se pode confiar.

    Tudo começa com o sindicalismo de Lula, de ex-operário a líder sindical. Veja como Maquiavel descreve esse feito.

Assim nasce o líder sindical;

  • Os homens são sempre inimigos dos empreendimentos onde vejam dificuldades.
  • Quem se encontre à frente de uma província diferente, […] tornar-se chefe e defensor dos menos fortes, tratando de enfraquecer os poderosos e cuidando que em hipótese alguma aí penetre um forasteiro tão forte quanto ele.

     De oprimido a defensor dos oprimidos, Lula não só se dispõem a lutar por melhores condições de trabalho como também tomar a frente dessa luta. Lula começou sua trajetória como orador em diversos movimentos sindicais, liderando alguns e fazendo aparições em outros, contudo sua bandeira de uma luta mais justa se concretiza na fundação do Partido dos Trabalhadores (PT) em 1980.

  • Nenhum exército é melhor formado que aquele que tem cidadãos em suas fileiras, os quais combatem “em causa própria”.

      E assim fez Lula, a causa trabalhista na verdade era sua causa própria. Maquiavel diz:

  • O homem prudente sempre segue os passos dos grandes e imita os melhores

     Grandes nomes de revoluções socialistas como Lenin, Mao-Tse, Kim Il-sung, Fidel Castro, Pol Pot, Mandela e Gandhi marcaram o século XX, porem somente 2 não são considerados ditadores sanguinários. Gandhi, 5 vezes indicado ao Nobel da Paz e Mandela, ganhador do Nobel da Paz em 1993, ambos são líderes natos e algo em comum, sabem o preço da violência, mesmo na história da Índia e África do Sul tendo um histórico violento na sua transição, tanto pelas forças governistas quanto por parte das forças opositoras os 2 líderes de Esquerda, para a “história” são louvados como homens da paz.

     Eis a importância de aprender com o passado para produzir um futuro de sucesso político. Então assim fez Lula, optando por uma luta “democrática”, com “diálogo” e manifestações públicas em prol de “justiça”, não foi preciso levantar armas, tão pouco foi preciso uma organização paramilitar atuante na liderança de Lula. De todas as revoluções Socialistas, as mais bem-sucedidas foram as de Gandhi, Mandela e Lula.

     Uma das observações mais cruciais de Maquiavel é a ideia de que o Príncipe que é eleito pelo Povo tem mais poder do que aquele que fora eleito pelos aristocratas.

  • O que chega ao principado com a ajuda dos grandes se mantém com mais dificuldade daquele que ascende ao posto com o apoio do povo, pois se encontra príncipe com muitos ao redor a lhe parecerem seus iguais e, por isso, não pode nem governar nem manobrar como entender.

     Em 2002, o Brasil recuperando-se do fantasma da inflação, estava aos poucos caminhando para um novo avanço econômico, FHC implantara o Plano Real, trazendo estabilidade da moeda, o início dos processos de privatização estava a todo vapor, o que de certa forma, causou um alvoroço na população, ver a Vale e a Petrobras sendo “vendidas” de longe foi uma boa propaganda para o governo, ainda existia o problema grave da fome e da seca no nordeste, cenário perfeito para a maior disputa eleitoral desde a queda do regime militar.

     Maquiavel faz observações sobre esse tipo de cenário:

  • Saber, durante guerra (política), reconhecer a ocasião e aproveita-la vale mais do que qualquer outra coisa.

     Lula, um príncipe do povo disputando as eleições com um príncipe dos aristocratas, ambos em um cenário onde quem se favorecia mais era aquele de defendia as causas sociais, e não foi surpresa ver Lula ganhar de Serra com uma grande vantagem, 61% do votos válidos, confirmando a afirmação de Maquiavel.

     Em 2004 nasce o Bolsa Família, Lula então adentra nas abordagens do Socialismo, o assistencialismo. Maquiavel escreve:

  • Um príncipe hábil deve pensar na maneira pela qual possa fazer com que seus cidadãos sempre e em qualquer circunstância tenham necessidade do Estado e dele mesmo, e estes, então, sempre lhes serão fiéis

     Qual é o maior legado de Lula se não Bolsa Família? O bom príncipe para Maquiavel é aquele que com sua “bondade” produza ótimos resultados políticos.

  • O príncipe, deve, sim, aceitar conselhos, mas apenas quando os solicitar.

     O que Lula fez em sua trajetória política foi cercar-se de conselheiros, Lula nunca foi um homem autoritário ou centralizador. E assim fazia Lula, bem como diz Maquiavel em duas linhas de pensamento:

  • O maior e mais importante cuidado deu capitão é ter perto de si homens leais, experimentadíssimos na guerra (politica) e prudentes, com os quais continuamente se aconselhe e com eles conserve sobre seus homens e seus inimigos.
  • […] fazer muitas perguntas, buscar opiniões e conhecer os pontos de vista de seus conselheiros.
  • Aconselha-te com muitos sobre as coisas que deves fazer e comunica a poucos o que depois irás fazer.

     Manter os planos econômicos de FHC em seu primeiro mandato foi crucial para o desenvolvimento econômico brasileiro, as recomendações da Palocci trouxeram a imagem de Lula mais brilhantismo, mas claro que poucos se lembram de Palocci, foi assim diz Maquiavel:

  • Os bons conselhos, venham de onde vierem, devem nascer da prudência do príncipe, e não da prudência do príncipe resultar dos bons conselhos.

     Lula em hipótese nenhuma poderia agraciar seus conselheiros as vitórias de seu governo, ele deve (e o fez) tomar todas para si.

  • Um príncipe que sucede outro de valor superior pode continuar reinando por conta da virtude dos méritos de seu predecessor (FHC) e colher frutos do seu trabalho.

     De fato, a premissa de Maquiavel é confirmada no decorrer do primeiro mandato do governo de Lula.

     Nos nãos de 2005 e 2006 (ano eleitoral), o Menssalão foi o único caso em que a governabilidade de Lula fora exposta ao perigo, contudo, durante o julgamento sua imagem não só fora poupada como isenta de qualquer responsabilidade com as investigações. Assim diz Maquiavel, e assim fora feito.

  • Aos príncipes devem atribuir a outrem as coisas odiosas, reservando para si aquelas de graça.

     E foi assim que Dirceu e Genuíno, principais articuladores do governo Lula receberam as atribuições de corruptos e tiveram suas imagens machadas, quando a do presidente ainda permanecia na graça. E com a celebre frase “Eu me sinto traído […]” em 12 de agosto de 2005.

     As medidas assistencialistas (mais graças são atribuídas a Lula) não deviam se limitar apenas ao Bolsa Família, de acordo com Maquiavel, o Estado deve adaptar-se a sua população, e foi exatamente isso que o governo PTista fez, um país rachado no âmbito social e econômico, onde a pobreza, desemprego, déficit na educação eram problemas recorrentes, o único jeito de imortalizar a imagem um salvador da pátria seria adaptar o Estado e criar novas medidas assistenciais, e assim nasceu, junto ao Bolsa Família, o Fome Zero, Primeiro Emprego, ProUni, FIES, entre outros programas. Lembrando-se a regra “cidadãos sempre e em qualquer circunstância tenham necessidade do Estado e dele mesmo”.

     A cada novo programa lançado, a cada novo elogio que o programa recebia, Lula estava lá para se fazer presente. Recebera prêmios e os mais variados títulos e diplomas, sendo então considerado não só o novo “herói” da pátria, mas também um “herói intelectual”.

  • Acima de tudo, um príncipe deve empenhar-se em dar de si, com cada ação, conceito de grande homem e de inteligência extraordinária.

     Maquiavel também recorre a imprensa, em seu livro Discursos sobre a primeira década de Tito Lívio, aborda o conceito de que a imprensa é o Quarto Poder, e esta tem o poder de preservar a liberdade pública. Novamente o governo de Lula retoma a regra da dependência do Estado, só que desta vez direciona para os canais de mídia, sua ações não são de suborno, e sim de repassa de verbas milionárias em ações publicitárias que serão exibidas nestes canais. A mídia que resolver se contra o governo, tem a verba reduzida ou simplesmente cortada. Veja o caso da Revista VEJA, em 2014 a verba federal foi cortada.

     Uma das maiores virtudes de Lula não era sua oratória, mas sim a sua habilidade com críticas que recebia, para política, mídia, agentes formadores de opinião e adversários são uma constante ameaça. Devemos lembrar que nas campanhas presidências Lula focava em mostrar ao povo seu plano de governo, enquanto o PSDB sempre se preocupou em atingir e denegrir a imagem de Lula e do PT, não cedendo as provocações relembra o ensinamento:

  • Mais importante do que atingir o inimigo é procurar não ser atingido por ele.
  • Na guerra (campanha eleitoral), pode mais a disciplina do que ao furor

     Enquanto o PSBD investia ferozmente nas tentativas de manchar a imagem do PT sejam com verdade ou factoides, o partido mantinha a estratégia de “vamos continuar com os planos”, não é à toa que o PSBD foi fora derrotado 4 vezes consecutivas em eleições presidências frente ao PT.

     Maquiavel sucinto ao dizer:

  • O que serve ao inimigo a ti prejudica, e o que te serve prejudica o inimigo.

     Simples, se o PT caísse na armadilha de trocar acusações, sua imagem de “bom samaritano” poderia ruir assim como a PSDB. Em meados de 2010 o PT assume a estratégia de ataque aos opositores, e desde então, sua imagem cada vez mais é prejudicada politicamente, mais uma vez confirmando as premissas de Maquiavel.

     A verdade é, Lula não se preocupava com o futuro do Brasil, mas sim com o presente, pois como diz Maquiavel:

  •  Os homens são levados muito mais pelas coisas presentes do que pelas passadas e, quando nas presentam encontram o bem, ficam satisfeitos e nada mais procuram.

     Todas as ações tomadas na gestão Lula visaram “solucionar” os problemas presentes, não dando importância ao surgimento de novos problemas futuros. “Não existe almoço grátis” (assistencialismo), pouco menos de uma década após o surgimento dos inúmeros programas sociais, dividas interna e recessão econômica começar a afetar o Brasil. Mas a era Lula, será marcada pela “dupla glória de ter dado início a um principado novo e de tê-lo ornado e fortalecido com boas leis, […] e bom exemplos”.

     O colapso do “bom governo” seria suportado pelo próximo governante, no caso Dilma Rouseff.

     Em síntese, não é preciso que Lula seja virtuoso no exercício do seu governo, mas certamente deve aparentar ser virtuoso aos olhos do povo. Para governar sem uma ditadura é preciso ser amado e admirado, em 8 anos de presidência, Lula construiu essa imagem, já Dilma Rouseff, bem essa nada aprender com seu antecessor.

     E assim finalizo a análise, com a seguinte observação:

  • A um príncipe, portanto não é essencial possuir todas as qualidades mencionadas, mas é bem necessário parecer possuí-las.

     Eis que um ex-operário, sem diploma de ensino superior, sem experiência econômica, sem know-how na politica de péssima dicção se torna presidente do Brasil.

 Untitled-1

3 thoughts on “Lula o verdadeiro Príncipe de Maquiavel

  1. Lagoinha do Leste

    apaga esse post horrivel

  2. eduardocrestani

    São tantos erros de português que não dá nem pra ler. Caprichem mais.

  3. ZangãoBlues

    Gostei da sua matéria. Me inspirei um pouco nela e fiz um vídeo no qual menciono seu blog e o coloquei na descrição de meu vídeo. Feliz 2017

    Fatalidades Previsões e profecias Maquiavélica 2017

    https://youtu.be/52JWWyHcKu0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>