Resposta ao Paulo Ghiraldelli

Este artigo é uma resposta ao texto “Pedofilia saudável e recomendável. Jesus era pedófilo” do pseudo-filósofo Paulo Ghiraldelli.

Novamente Paulo Ghiraldelli nos mostra o quão ruim o campo intelectual está em nosso país. Em primeiro lugar, não deixo de esquecer erros gramaticais básicos em seu artigo e incoerências de escrita onde o próprio camarada Ghiraldelli acaba por refutar suas expressões. Dentre elas, as incoerências em afirmar que nem todo pedófilo pratica pedofilia sexual, porém mais adiante, admitindo que toda a pedofilia não precisa ser sexual. Podem facilmente serem achadas no 7° parágrafo. E, aparentemente, o sr. Ghiraldelli esqueceu-se de uma das primeiras regras de produção de um texto, este que refere-se ao título. Seu título, por sua vez, não condiz com 20% de seu artigo por inteiro e, claro, praticando a mais impura difamação contra as religiões que colocam  Jesus Cristo como o homem mais importante do mundo e para elas, em especial, colocando-o como pedófilo. (praticamente apenas uma jogada de marketing).

Porém, na mente deste “filósofo”, é rapidamente refutável para aqueles que o acusarem, pois “é justificável chamar Jesus de pedófilo”. Dizendo em seu artigo, de que a pedofilia existe em todos os adultos, e que é algo bonito e normal – contradizendo-se no parágrafo 5. O que mais me espantou neste artigo, foi o uso massivo de metonímias e sofismo. Apropriando-se de meias verdades – estas, não provadas cientificamente desde psiquiatria à testes hormonais – fazendo então com que seus leitores sintam-se aconchegados em suas palavras. Pois, “não é ele quem afirma”. Resume-se na válvula de escape para esta situação caso alguém o refute. Estas meias verdades, por sua vez, vêm acompanhadas de uma rara programação neurolinguística – esta que um pouco de estudo sobre, qualquer um entenderá sobre o que eu estou falando.

Através de seus textos, possuindo características Sofistas com a programação neurolinguística, o companheiro convence cada leitor seu ponto de vista. Ele desmantela os conceitos da Pedofilia, para enfim, impor os conceitos que ele acha certo, desta forma: atravessando os pontos de fuga, fingindo que sobre este assunto só existe aquilo, impondo – sem muitas evidências – seu “ponto de vista” para o público. Não posso esquecer também, da confusão hiperbólica de diferenças sentimentais que Ghiraldelli comete. Um erro impuro e imbecil, devemos reconhecer. Pois, é incontestável que sentimentos familiares, sejam diferentes de sentimentos de animais, e seja diferente de sentimentos que possam levar para o ato sexual. Ao fazer esta confusão, colocando-a como algo coesivo, o que impede confundir a racionalidade com a emoção? Instintos com o racional? Simplesmente, nada.

Ao apropriar estas meias verdades e confusões como algo coerente com a realidade, Ghiraldelli, cometeu a pior que poderia ser feita. A de “Criança e Adulto”.

Através de toda a sua falsidade linguística, Ghiraldelli, conclui que pelo fato das crianças possuírem curiosidade sobre seu corpo, buscando através de outras, e por vezes serem “impedidas”, futuramente, esta seria uma razão/justificação para tornarem-se pedófilas. Enuncia a palavra “Pedofilia” como algo deturpado pela maioria, onde muitas vezes o resultado desta palavra “cai em bocas ignorantes”, dizendo que foi apropriada para a criação de uma nova linguagem. A incoerência é evidente. O próprio Ghiraldelli, durante seu artigo inteiro, apropriou a palavra “pedofilia” a seu ver. Não existe nada mais a se esperar de alguém troca “haver” por “a ver”. Contudo, poderemos dar uma chance de Ghiraldelli ao menos reconhecer suas falácias. O mesmo, ao menos, deve obter conhecimento das taxas de analfabetismo crescentes nas universidades que, estes novos alunos, passaram suas vidas aprendendo exatamente os conceitos que ele propõe em todos os seus artigos.

Recordando a falta de credibilidade de ensino, contínua em lições marxistas/gramscistas, resultou então na mais perversa construção-sócio-educativa. O que trouxe com ela desta vez, a acusação da deturpação de uma palavra pela sociedade, enquanto por meios sofistas e de todas as formas da programação neurolinguística, destruiu os conceitos sobre, para enfim construir o conceito por tal palavra. Algo que não fica explícito. Pois, pelo seu artigo, a criação desta nova visão sobre a ‘pedofilia’ virá de seus leitores, contudo, indiretamente influenciando-os com as propostas em formato de opinião construtivista, demolindo e dominando com o novo conceito de pedofilia/pedófilo.

Ghiraldelli em seu último artigo, não fez somente um crime de difamação contra religiões ou, um crime relacionado à defesa da pedofilia. Ghiraldelli, também cometeu um dos maiores crimes possíveis relacionados à intelectualidade. Desmantelando conceitos históricos, acrescentando sua parte na história como um menino chorão, e por final, influenciando suas opiniões criminosas do assunto diretamente ao leitor após a programação neurolinguistica ter surtido efeito. Mais uma vez, o objetivo dos professores universitários e intelectuais de esquerda, é e sempre será – quando relacionado à pedofilia – colocar o pedófilo como um ser humano normal que gosta de ficar próximo às crianças. A defesa da pedofilia vem de muito tempo atrás, porém recentemente, o surgimento de novas defesas, estas que são principais na esquerda brasileira e em parte na mundial, veio através da situação sobre o casamento “homo-afetivo” dos E.U.A. Não pretendo e nem quero escavar este problema aqui neste artigo, talvez mais para frente eu faça algum levantamento mais adequado e informativo.

O Brasil e o mundo estão rodeados de pessoas com o objetivo de colocar a Pedofilia e o Pedófilo como algo normal, através de “intelectuais” que influenciam diretamente na escola e na mídia em geral. Já passou da hora de abrirmos nossos olhos sobre estas pessoas. Matam-se as instituições, a moral, a ética. Nos sobra isso.

Espero encarecidamente algum esclarecimento do senhor Paulo.

12 thoughts on “Resposta ao Paulo Ghiraldelli

  1. Martty

    Parece que você não leu o texto direito, interpretou coisa errada pra caralho… E ele não se contradiz, mas trabalha ao longo do texto com definições diferentes de “pedofilia”. E ele não criou essa “nova definição de pedofilia”, essa na verdade é a definição original de pedofilia que viria a ser deturpada na sociedade de hoje.

    Não gosto do Ghiraldelli como pessoa, mas acho louvável suas tentativas de humanizar o pedófilo. O pedófilo, o inofensivo, não o abusador/estuprador. Quando vocês vão entender que o problema não é o pedófilo, mas o estuprador? É claro que é fácil jogar tudo no mesmo saco quando se é alguém que não se sente atração involuntária por crianças. Mas na vida real as coisas são distintas. Muitos pedófilos não são estupradores, muitos estupradores não são pedófilos. Por isso, é louvável alguém que vá contra a ignorância fixada na sociedade de que tudo é a mesma coisa.

    • Ariele Mazim

      Você só provou que o artigo está certo ao falar da “visão certa sobre o pedófilo”. Eu fui dar uma olhada no artigo do Ghiraldelli, e nos parágrafos onde ele citou, é verdade que ele se embolou todo.

    • Ariele Mazim

      E, “humanizar o pedófilo”? Sério? Com certeza o pedófilo é um ser humano. Mas ao dizer isso no intuito de “colocar o pedófilo como uma pessoa normal na sociedade”, é dizer o mesmo que psicopatas não tenham de ser tratados, ou nos piores casos serem afastados da sociedade.

      • Como um tweet de um instituto norte-americano pró-aborto, que reclamou de um comercial de Doritos porque ele “humanizava fetos”.

      • Martty

        Pedofilia e psicopatia são coisas bem diferentes. E o que eu estou falando é exatamente disso, a estigmatização do pedófilo faz com que se dificulte o próprio tratamento deles. Hoje em dia, alguém se dizer pedófilo é suicidio social. Você acaba com sua vida, sua reputação, seu emprego e ainda corre o risco de ser linxado na rua e isso mesmo sem nunca ter tocado em uma criança. EU JÁ PRESENCIEI ISSO. Eu já presenciei pessoas tendo a vida destruída por terem sido descobertos como pedófilos. Você acha que é pouco o medo de uma pessoa dessas de se tratar? Medo do psicológo/psiquiatra alertar sua família ou mesmo de alguém de fora descobrir. Feito algo ou não, ele será visto como um monstro estuprador. E isso sem falar que reprimir o desejo de maneira não adequada pode trazer circunstâncias psicológicas muito perigosas. Por isso, esse é um assunto que devia ser sempre tocado e nunca deixar cair no tabu.

        • Eu não sei se você sabe disso, mas existe algo chamado sigilo profissional. Se você procurar um psicólogo ou um psiquiatra, ele não vai sair gritando PEDÓFILO! PEDÓFILO! no meio da rua. Antes tratá-lo e, diante da gravidade de sua parafilia, recomendar que você mesmo procure reparar o que tenha feito.

          E quando falo `você’, falo de maneira genérica.

          • Martty

            Se o psicológo acreditar que o paciente é um perigo para os que estão ao seu redor, ele pode alertar a família. E não é isso que eu quis dizer, mas toda a pressão em cima do assunto dificulta a busca por profissional. Medo e até mesmo medo de admitir que ele seja um pedofilo. Desinformação e falta de profissionais capacitados para isso também. E isso tudo é fruto da estitgmatização do assunto.

    • kkk (y)

    • Parei em humanizar o pedófilo.

      • Martty

        Qual o problema em humanizar o pedófilo?

        • O problema reside em adjetivar o que já possui tal adjetivo. Não se `humaniza’ um pedófilo; ele já o é.

          Creio que use o termo `humanizar’ no sentido de dar a ele o tratamento que é devido a outro ser humano; se é este o caso, o termo é incorreto. Humaniza-se o que não é humano: há pessoas que tratam cachorros tais como seres humanos, e colocam roupas e penduricalhos neles como se humanos fossem – há aí uma humanização do cachorro. O pedófilo, entretanto, já é humano, porém portador de uma parafilia que deve ser tratada para que não agrida a outrem.

          Há, de fato, pedófilos que não abusam de crianças, mas que alimentam sua parafilia por meio de mídia produzida por quem abusa delas (uma parcela muito pequena de pedófilos consegue manter-se na fantasia mas, como em todo processo vicioso, tem uma hora que não é o suficiente). Daí haver a necessidade de tratamento médico, ainda que por meio de uma internação forçada, para que sua parafilia não se torne uma desordem parafílica. Mas enquanto a parafilia for senhor de seu domínio, não deve estar integrado à sociedade como se tivesse uma gripe ou resfriado comum.

          • Marco Polo

            Não seja purista dessa forma.

            O pedófilo é humano, mas não é visto como tal. Ele é visto como monstro inssociabilizável. Humanizar o pedófilo seria remover o estigma de sua imagem. O carinha aí já explicou isso.

            Você também se equivoca em pensar que a “parafilia” seja algum tipo de vontade incontrolável, implicando que a “parafilia” seja dona do dominio do pedófilo. Eu me sinto ofendido!

            Minha atração por crianças nunca foi algo incontrolável para mim e nem para muitos outros como eu que já conheci na internet. Não é nem algo que precise de controle, na verdade. Supondo que você gosta de mulher, você pecisa se controlar para não atacar mulheres por aí? O desejo existe, mas nunca é algo forte assim. Ainda mais se você tem uma vida social e sexual ativa com mulheres adultas. Por isso, se já viu algum pedófilo culpando sua “doença” por ter estuprado uma criança, não caia nessa: É safadeza dele.

            Eu já conheci pedófilos de muitos tipos pela internet. Jovens, com namorada e vida acadêmica. Velhos desempregados. Homens casados, homens solteiros. Até mesmo mulheres pedófilas. Só não faço amizade mesmo é com estuprador. Mas te garanto que a maioria deles era bem sensata e prudente, existem muitos assim. De fato, não são pessoas que eu diria que precisam de tratamento. Assim como eu acredito que eu não precise de tratamento. Eu já tentei, no tempo em que me sentia culpado por sentir o que sinto. Não tive tanto êxito. Também já conheci os que tentaram algum tipo de castração quimica, diminuindo seu libido. Isso é crueldade, é abdicar de qualquer possível vida normal, é pagar por um crime que não cometeu. Na minha opinião não há necessidade de internação, muito menos forçada. Ainda mais considerando estatisticas que dizem que boa parcela dos abusadores nem SÃO pedófilos.

            Agora, quanto a Pornografia Infantil.

            >Há, de fato, pedófilos que não abusam de crianças, mas que alimentam sua parafilia por meio de mídia produzida por quem abusa delas

            De fato, mas qual o problema disso? Eu posso assegurar-lhe que a masturbação é um meio para prevenir abusos. Existem pesquisas que comprovam que o alto consumo de pornografia está ligado com menos casos de estupro e assédio, e que o consumo de pornografia não incentiva práticas violentas (“Aggression and Violent Behavior 14 (2009) – The influence of pornography on rape and sexual assault”) e que dizem que não há relação entre consumo de pornografia infantil com o abuso sexual de crianças (“The consumption of Internet child pornography and violent and sex offending – BMC Psychiatry”).

            Você pode argumentar que consumir Pornografia Infantil incentiva a produção de pornografia infantil. Em tese, isso parece ser verdade. Mas é um “ramo” muito mais complexo, por se basear na internet.

            Basicamente, existe um mercado/grupo de pornografia infantil em certo lugar da internet. Essas pessoas trocam entre si e vendem fotos e videos de crianças. São mercados e grupos muito restritos, então a menos que você seja conhecido de um conhecido nunca irá entrar em um grupo desses. Quando um desses produtores “morre” (é preso), as coisas que ele vendia ou compartilhava caem na rede. E é aí que entram os sites comuns, que pessoas como eu e a maioria dos pedófilos, que apenas consomem, tem acesso. Nós nos saciamos com os restos dos peixes grandes, somos leechers. Isso de maneira alguma incentiva, MUITO MENOS FINANCIA. É como qualquer tráfico de coisas ilicitas, só financia quem PAGA. E pelo contrário de incentivar, quanto mais pessoas assistem um vídeo de pornografia infantil vazado, mais chances tem o produtor e seus amigos de serem presos. Em termos mais próximos ao que estamos acostumados, é como se eu fumasse a maconha que os traficantes esqueceram em algum lugar. Você também pode dizer que o mercado só existe porque pedófilos que consomem isso existem, mas eu rebato dizendo que é bom separar o joio do trigo. Eu nunca me prestaria a PAGAR por pornografia infantil, e a maioria dos pedófilos consumidores também. É de grande risco, pois é crime e dinheiro pode ser rastreavel, além de incentivar o abuso. É bom separar os pedófilos dispostos a pagar dos que só querem consumir para saciar seu desejo.

            Ademais e complementando, dado o risco do negócio é minimo o número de conteúdo que aparece lá de graça, puramente para saciar a demanda de pedófilos que querem consumir. Isso, claro, sem contar a pornografia infantil que é produzida PELA PRÓPRIA CRIANÇA. Pode ser difícil de digerir se você não está acostumado com assunto e com esse mundo da pedofilia, mas uma considerável parcela de Pornografia Infantil produzida é produzida pelas próprias crianças/adolescentes. O mundo atual já foi consumido pelos smartphones e computadores. Crianças ganham seus primeiros celulares aos 5 anos. Seria ingenuidade pensar que eles não fariam parte do descobrimento sexual dos pequenos. Sejam meninas se mostrando em webcams privadas (omegle, younow) ou entre seus coleguinhas ou namoradinhos no skype, sejam nudes enviados pelo whatsapp ou até mesmo pré-adolescentes com pais pouco presentes que tem fetiche em se mostrar para tiozões ou estranhos na internet. A digitalização está transformando o “ramo” da pornografia infantil completamente e eu diria que em poucos anos terão muito mais vídeos de meninas se mostrando em webcam de livre e espontanea vontade do que de abusos – se não já tem. E acredite: Muitos pedófilos consomem unicamente (e até preferem) esse tipo de pornografia infantil. Talvez por se sentirem menos culpados.

            Portanto, também não acredito que o consumo de pornografia infantil seja base para tratamento ou internação. Acredito até que as leis contra pornografia infantil atuais são injustas e pouco refletidas.

            É isso. Desculpe pelo texto gigante, só quis esclarecer algumas coisas para você e todo mundo que possa visitar o site.

            Quanto ao Ghiraldelli, ele nem ao menos merece resposta. Ele só faz isso por polêmica. Ele não entende porra nenhuma de pedofilia e tira um monte de coisa do cu pra dar base para o que ele fala.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>