Por que os cristão devem se manifestar

Hoje em especial  diante do cenário político de nosso país, gostaria de deixar esta excelente reflexão a todos os cristãos que não se posicionaram ainda sobre o direito de protestar ou não contra o governo mais corrupto da história do Brasil, e que neste momento está dando o mais duro golpe na democracia, desrespeitando TODAS as leis, no intuito de se perpetuarem no poder, e ficarem impunes aos crimes que já comprovadamente cometeram.

Que Deus nos abençoe e nos dê discernimento e direcionamento a luz da palavra para que não estejamos em cima do muro quando precisarmos de fato nos posicionar e agir.

teologia

 


 

 

Não podemos ficar alheias à situação atual de nossa nação. Muitos irmãos piedosos tem sinceras dúvidas quanto a posição que os cristãos devem ter diante de governos declaradamente corruptos, governos que exaltam a injustiça, que contribuem para o progresso do mal e inibem ação do bem. Segue um pequeno trecho do livro “Manifesto Cristão”, do teólogo Francis Schaeffer, onde ele esclarece até onde nós devemos obediência ao Estado.

“Segue-se, porém rapidamente, outra pergunta. Será que Deus determinou como autoridade sobre o Estado alguém autônomo, separado dEle mesmo? Devemos obedecer ao Estado não importando em que circunstância? Será que devemos obedecer? Nesta área o homem seria realmente a medida de todas as coisas? Eu tenho de responder que de maneira alguma é assim. Não é.

Quando Jesus diz em Mateus 22.21 “Dai a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus” não quer dizer:DEUS e CÉSAR

Foi, é e sempre será assim:

DEUS
e
CÉSAR

O governo civil, como toda a vida, se encontra debaixo da Lei de Deus. Deus nos deu certas autoridades para proteger-nos do caos que é resultado natural de nosso estado caído. Mas quando qualquer autoridade ordena aquilo que é contrário à Palavra de Deus, os que ocupam o cargo ab-rogam sua autoridade e não devem ser obedecidos. Isso inclui o Estado.

[…]

Deus ordenou o Estado como autoridade delegada, não autônoma. O Estado deve ser agente da justiça, para restringir o mal castigando o malfeitor, e proteger o bem na sociedade [Rm 13.1-4]. Quando se faz o contrário, ele não possui autoridade correta. Torna-se, então, uma autoridade usurpada e como tal, sem lei e tirânica.

[1 Pe 2.13-17] Pedro está dizendo aqui que a autoridade civil deve ser honrada e que Deus deve ser temido. O Estado, conforme ele o define, deve punir os que fazem o mal e recompensar aqueles que fazem o bem. Se não for assim, desmorona toda a estrutura. Claramente o Estado deve ser um ministério de justiça. Esta é a função do Estado, e dentro dessa estrutura os cristãos devem obedecer-lhe como questão de “consciência” (Rm 13.5).

Mas o que se deve fazer quando o Estado violenta sua função legítima? Os primeiros cristãos morreram porque não obedeceram ao Estado numa questão civil. As pessoas frequentemente nos dizem que a igreja primitiva não demonstrava desobediência civil, porque não conhecem história da igreja. Por que os cristãos no império romano eram lançados aos leões? Do ponto de vista cristão era por razões religiosas. Mas do ponto de vista do Estado Romano eles estavam em desobediência civil, eram rebeldes civis.

[…]

A linha limite é que há um certo ponto em que não existe apenas o direito, mas também o dever, de desobedecer ao Estado.”

SCHAEFFER, Francis. Manifesto Cristão. Brasília: Refúgio, 1985, pp. 86-88.

Texto retirado da página Teologia e Feminilidade

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>