COMO LOBOS MUDAM RIOS

Alguns dias atrás, não sei por qual razão, estava me lembrando de um documentário que havia assistido há alguns anos, o documentário narra a história de como os lobos mudaram o curso dos rios. Sei que parece loucura ao simplesmente pronunciar esta frase, porém, é necessário assistir ao vídeo para entender.

Hoje tive a feliz surpresa de me deparar com as recordações que o Facebook traz das minhas publicações de alguns anos na time line e encontrar exatamente este documentário, e obviamente fui assisti-lo de novo. Que história sensacional, as paisagens magníficas, e o melhor, a lição deixada e o quanto este documentário falou ao meu coração.

Eis o vídeo:

A reflexão que me veio à mente, ao assistir novamente o vídeo, me remete aos cristãos e ao tempo em que vivemos, pois tal qual ocorreu na história dos lobos, passei a me questionar como nós, os cristãos, podemos mudar o “curso dos rios”, isto é, tornar o ambiente em que vivemos mais equilibrado e favorável?

Deixo aqui algumas pistas que o vídeo traz, apesar de se tratarem de explicações científicas, elas servem também para ilustrar o propósito da reflexão.

O primeiro ponto que merece destaque, fazendo um comparativo, trata do aspecto de que não é a quantidade de cristãos em um ambiente que faz a diferença, mas sim a qualidade deste cristão, isto é, aquele que decidiu viver a essência para a qual Deus o criou, ainda que em pequeno número pode sim fazer a diferença, e Jesus nos ensinou que “onde se reunirem dois ou três em meu nome, ali eu estou no meio deles.” (Mt 18:20).

O cristão que vive a essência do propósito para o qual Deus o criou, vive através da graça de Cristo Jesus manifesta em sua vida, ele é capaz de mudar um ambiente, mas esta mudança deve começar antes em seu próprio comportamento.

O cristão só pode ser ponto de mudança na sociedade corrompida quando antes tiver mudado seu comportamento pecaminoso, e decido por viver o fruto do Espírito: “mas o fruto do Espírito é amor, alegria, paz, paciência, amabilidade, bondade, fidelidade, mansidão e domínio próprio. Contra essas coisas não há lei.” (Gl 5: 23-23).

Aqui novamente comparando com o vídeo, o cristão é aquele que traz vida e morte, e explico: ele deve morrer para si mesmo todos os dias, para que vivendo em Cristo, possa trazer exemplos e palavras de vida aos que o cercam, ao ambiente em que vive. “Fui crucificado com Cristo. Assim, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim.” (Gl 2:20)

A vida que o cristão genuíno pode trazer aos que o cercam é através do quanto ele vive para Cristo, e isto só é possível através de arrependimento, de diminuição do “eu”, e o quanto este processo contínuo é capaz de trazer regeneração, ao próprio cristão em primeiro lugar, e tal qual na história dos lobos, ao ambiente, pois somos o sal da terra e a luz do mundo (Mt 5: 14-16).

Todo cristão precisa buscar um autêntico relacionamento com Deus, e assim sendo, estará alinhado com aquilo para o qual foi criado, uma vez que fomos criados para nos relacionarmos com Deus, longe dele nós estamos em desequilíbrio, e tal qual a natureza anda em equilíbrio, nós também precisamos buscar esse equilíbrio.

Levando-se em conta estes primordiais aspectos, tais quais os lobos, nós os cristãos então poderemos ser fonte de transformação do ambiente em que vivemos, não podemos nos esquecer que: “não devemos nos moldar ao padrão deste mundo, mas transformá-lo pela renovação da nossa mente.” (Rm 12:2)…e assim sendo, poderemos pela graça de Cristo Jesus, enfim, mudar o curso dos rios. 😉

One thought on “COMO LOBOS MUDAM RIOS

  1. Rafael Ramos

    Muito bom o texto e o vídeo! Parabéns!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>