Educação?

Mediante pouco tempo a educação brasileira estava por fim, evoluindo em seus métodos, com técnicas rígidas e compostas de tradicionalismo, transportando e criando um reconhecimento internacional, elevando essas notas e diminuindo o analfabetismo que assim reinava. Visto a “volta da democracia”, por assim dizer, os comunistas infiltraram-se na educação de vez, proporcionando novos métodos que, por elogios em boca própria, eram inovadores, progressistas e de consideração em nome nada explícito: cacoetes ideológicos esquerdistas.

Visto que novas atitudes pedagógicas estavam por vir, muitos se perguntaram: Quais esses métodos? Como farão? De onde veio? O que restou destas perguntas foi, a clara evasiva das respostas que deixaram um mar de destruição neurológica, cognitiva e emocional nas futuras gerações.

Conforme o ritmo da educação iria se desmantelando a cada minuto, era difícil perceber a inépcia mental caracterizada em essência dos novos estudantes entre oito até dezoito anos. Portanto, pouquíssimos analistas tiveram a iniciativa de cativar-se ao entendimento de novas estruturas pedagógicas, se contentando dessa forma, com a rasa imagem passada pela esquerda através de discursos políticos e mídia. A linguagem metonímica participou dessa história como a principal câmara de ventilação, trazendo e levantando questões acima da prática, esquivando-se da conjuntura real dos termos, sem contar da falta a praticidade do próprio assunto, e por fim, relativizando todo o processo de entendimento que poderia ser feito sobre a nova prática pedagógica.

Em termos recentes, o sócio construtivismo (Vygotsky) e construtivismo (Jean Piaget) que haviam se encarnado em tal época, estendendo-se até hoje, aglomerando estes problemas e mil outros.

Começando pela criatividade analógica incrível de Piaget, podemos ver que suas representações da moral infantil e posturas de senso cognitivo são passivas de chacota e brincadeiras. Não digo isso no intuito de difama-lo. Suscetível a erros, todos os seres humanos são. Mas Piaget se supera em todos. O homem que entende a realidade no contrário.

Partindo do pressuposto Kantiano, sobre a realidade, Piaget se iguala infinitamente aos termos, onde, por sua vez, acaba por escarnecer o próprio entendimento humano sobre a realidade, convencendo a si mesmo sobre uma suposta relatividade. Repassando para suas teorias mais “originais”, a criança já tem por efeito, certa margem de inviabilidade ao aprendizado, e ao mesmo tempo a viabilidade ao aprendizado. A teoria moral e cognitiva de Piaget bate uma contra a outra como dois trens desgovernados indo ao mesmo ponto. A teoria moral, por sua vez, existe etapas de cada crescimento – como se, por fatores deterministas morais, a mesma fosse a contrária. Já em sua teoria cognitiva, todos os jargões utilizados para o crescimento amoral é feito de um pressuposto moral. Uma confusão interminável.

Piaget vê dessa forma, pois, em tese, a criança faz parte de uma construção mental abstrativa que ela mesma faz. Isso, tão somente torna o processo enormemente complicado para o coitado do aluno, quanto para o professor que deve fazer tal ponte entre o irracional e o racional, pensando dessa forma em termos pedagógicos.

Vygotsky consegue se superar ainda mais. Utiliza então, o termo “sócio construtivismo” para definir que o indivíduo constrói sua moralidade, intelectualidade, e afins, diante da sociedade em que vive. Isso, além de um determinismo propositadamente colocado (veja aqui um artigo sobre Braudel, o historiador que trouxe uma grande base para o pensamento determinista no Brasil), traz consigo, a incapacidade do professor/mediador de dar sua aula. Para o método sócio construtivista, só existem dois elementos em jogo: 1- Aluno (sujeito) 2- Mundo (objeto).

Em tese, o sócio construtivismo aplica suas teorias Indutivas e Dedutivas, juntamente ao processo de produção crítica social para alunos de cinco anos de idade. Sobre o processo da crítica social, nem preciso continuar. Nos termos mais abrangentes do método Indutivo e Dedutivo, estes que, abrangem uma forma científica de fazer uma pedagogia, se confundem em seus termos que, por sua vez, provocam reações problemáticas, que destroem a capacidade mais possível do aluno.

Não obstante, a Educação não faz parte de uma Ciência, ela é uma arte/técnica. E como toda técnica, ela tem por objetivo viabilizar, sintetizar elementos num produto material que são teoricamente irredutíveis a uma racionalidade comum (ou seja, a ponte entre o racional e o irracional que o Professor faz perante as capacidades do aluno e a matéria). A ciência faz exatamente o contrário disso. Na ciência, temos por base a conjuntura de termos que abrangem elementos heterogêneos em uma unidade teórica. Portanto é um processo controlável. Afinal, trata-se de um processo técnico.

Pela educação ser exatamente o contrário, não é um processo totalmente controlável. Percebemos que, o professor deve fazer um arranjo entre o irracional e o racional, contudo, para isso, a formação criativa dele deve estar sempre ativa. Portanto, o Professor é o elemento principal da educação e não – como assim querem os esquerdistas – culpar os pais, a sociedade, o aluno e a escola como responsáveis dos problemas. Não é através de métodos de Paulo Freire, Vygotsky, Piaget que a educação irá melhorar, muito pelo contrário. O problema da nossa educação é exatamente estes métodos que só deixam a restar, impulsividade de alunos burros, afinal, quando não se tem a inteligência ou capacidade, a única coisa que sobra é a primeira emoção que vier.

Assim é a educação. Processos complicados e praticamente incontroláveis que, juntamente com ela, hoje em dia, vem com esta criação de novas pedagogias que apenas atrapalham o aprendizado e o mediador. O processo antes complicado, agora é impossível de ser realizado por várias questões.

Ser professor no Brasil, além de ser perigoso por conta da grande margem de riscos que corremos na sala de aula, justamente por conta de métodos que visam uma educação “não diretiva”, corremos o risco de sofrer penalizações caso não seguimos estas vertentes. Ser professor no Brasil, não é para frouxos.

One thought on “Educação?

  1. Sandra Ron

    Tenho um filho diagnosticado como autista. Não conseguia se alfabetizar. Coloquei meu filho numa escola pequenininha onde a diretora proprietária me fez a seguinte proposta: Se ele quiser aprender, podemos ensinar, desde que ele obedeça as normas da escola. Meu filho aprendeu junto com alunos com 6 anos. Todo dia era uma descoberta. Simples e continuada. O dia que ele leu “problema” percebi o quanto as crianças do Brasil estão perdendo com o construtivismo. Elas usaram aquele sistema antigo da cartilha. Ele aprendeu também a letra cursiva perfeita. Importante: se alguém passasse no horário de aula na frente dessa escola, jamais saberia que lá dentro existiam quase 100 criança, tamanha era a disciplina. O esquerdismo é tão ridículo que ele perpetua tudo que é feio. Eles amam o feio. E não existe coisa mais linda no mundo do que uma criança aprendendo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>