Sobre o Voto – Feminismo não representa a mulher

O Feminismo é um movimento tipicamente marxista, ele esta ai para servir aos interesses “revolucionários” da esquerda, pois fomentam a luta de classe, pervertem a moralidade cristã e são contra os mesmos inimigos de toda a esquerda, são inimigas do capitalismo e do conservadorismo. Esse movimento se diz responsável pelas conquistas femininas desse ultimo seculo, uma dessas conquistas é a questão do voto. Você conhece algo sobre o voto feminino no Brasil? Ai vai:

No Brasil só tinha direito ao voto aquele que tinha o dever de ir para a guerra. No mundo ocidental esse direito era vinculado com o alistamento no exército. Na época muitas mulheres se manifestaram contrárias ao voto por medo de serem obrigadas a servir o exército. A luta pelo voto feminino em nosso país partiu de um homem chamado César Zama. Os republicanos que lutaram pelo voto feminino eram o que hoje chamamos de direita.

A primeira mulher a conquistar esse direito no Brasil foi Celina Guimarães, casada com Elyseu de Oliveira Viana que foi fundamental pra essa conquista, durante o governo de Washgton Luis em 25 de outubro de 1927 . O voto foi anulado para as leis passarem por regulamentação. “Eu não fiz nada tudo foi ideia do meu marido que empolgou- se na campanha de participação da mulher na política”.

Nas eleições de 1933, a médica, escritora e pedagoga Carlota Pereira de Queirós foi eleita, tornando- se a primeira mulher deputada federal brasileira. “Nunca fui, nem sou feminista, entendendo-se por feminismo as mulheres que pediam o direito de votar e falavam em reivindicações.

Partidária da emancipação da mulher pelo trabalho, adaptei a minha ideia”. “Porque nós mulheres mulheres precisamos ter em mente que foi por decisão dos homens que nos foi concedido o direito ao voto”. Homens e mulheres que lutavam pelo direito ao voto, não só o voto feminino mas um direito de todos, eram chamados de sufragistas e nada tinham em relação com o feminismo.

Assistam esse video, onde o Olavo pontua algumas coisas sobre o feminismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>