Quando o FRAUDADOR diz: “Marxismo, Comunismo e Cristianismo bebem da mesma fonte” — Parte 1.

Fraudadores tentam validar ideologia usando dos artifícios mais sujos.

Não é incomum encontrar esses tipos de fraudadores até mesmo no meio cristão. Eles fazem parte de uma agenda política específica, agindo de forma consciente, ou atuando como idiotas úteis com o propósito de infusão ideológica dentro das igrejas, ou no meio comum, balizando “aceitação da ideologia por suposta similaridade”. Tudo que o fraudador objetiva é pregar no inconsciente daqueles que interagem com ele que “ahhhh a ideologia comunista não é tão má assim” (e esse estratagema serve para qualquer ideologia).

Vamos, nesta pequena série de 3 artigos demonstrar como funciona este tipo de fraude, e como quebrá-la em pedaços.

O fraudador diz:
Tanto o cristianismo como o comunismo, pregam a solidariedade o amor.
“Ricos devem vender e largar tudo que tem e dar aos pobres” está estampado na vida ensinos e obras de Jesus e dos apóstolos.

A fraude usada aí é a DISTINÇÃO DE EMERGÊNCIA. O fraudador elenca um ponto que ele considera comum entre os dois objetos para não abordar a natureza fundamental entre eles. Indo mais afundo no conhecimento real entre os objetos comparados, chega-se a conclusão de que o fraudador constrói sua primeira falácia com outras duas: GENERALIZAÇÃO e FALSA ANALOGIA baseadas na propaganda do comunismo e não em sua realidade fundamental.

MAS QUAIS SÃO AS DIFERENÇAS FUNDAMENTAIS ENTRE COMUNISMO E CRISTIANISMO?

1) A maneira de enxergar as relações entre as pessoas.

O comunismo tenta se justificar numa tese de conflito eterno entre rico e pobre, pois baseia-se meramente nas posses materiais.

Essa tese determina que os trabalhadores, então denominados proletários, são SEMPRE a parte OPRIMIDA de uma relação trabalhista. Essa “opressão” se distribui pelo resto das relações humanas, e assim o comunismo não precisa tratar amplamente de um conceito de justiça, ou de pobreza em si mesmo… TODOS os problemas humanos são fruto desta dicotomia que ele supostamente identificou:

“ A nossa época, a época da burguesia, distingue-se, contudo, por ter simplificado as oposições de classes. A sociedade toda cinde-se, cada vez mais, em dois grandes campos inimigos, em duas grandes classes que directamente se enfrentam: burguesia e proletariado”
(Manifesto do Partido Comunista — I.Burgueses e Proletários.)

O cristianismo NUNCA causou essa divisão conflituosa entre rico e pobre. Cristãos não odeiam ricos e muito menos são ressentidos com eles pelo fato deles serem ricos. O cristianismo analisa o comportamento das pessoas, e não meramente suas posses.

— “O rico e o pobre se encontram; a todos o Senhor os fez.” (Prov. 22:2)

A história bíblica está repleta de pessoas que possuíam bens materiais. Em algumas situações essa riqueza foi usada como sinônimo de benção dentro do conceito restrito de moralidade cristã:

— “E ia Abraão MUITO RICO em gado, em prata e em ouro.”
(Gen 13:2)
— “Havia um homem na terra de Uz, cujo nome era Jó (…) E o seu gado era de sete mil ovelhas, três mil camelos, quinhentas juntas de bois e quinhentas jumentas; eram também muitíssimos os servos a seu serviço, de maneira que este homem era maior do que todos os do oriente.” (Jó 1:1–3)
— E o Senhor virou o cativeiro de Jó, quando orava pelos seus amigos; e o Senhor acrescentou, EM DOBRO, a tudo quanto Jó antes possuía”
(Jó 42:10)

Jesus possuía em seu ministério terrestre ao menos 4 discípulos de posses:

A) Lucas: Médico, tinha acesso à alto grau de estudo ( Colossenses 4:14)
B) José de Arimatéia: Rico, membro do sinédrio, discípulo que inclusive cedeu o sepulcro após a morte de Jesus.(Marcos 15:43)
C) Nicodemos: que fazia parte da elite judaica (fariseus), sendo um membro do sinédrio e até chamado “príncipe dos judeus” (João 3:1)
D) Matheus: que era cobrador de imposto. Funcionários do poder público eram pessoas de posse, e bem remuneradas. (Matheus 9:9, Marcos 2:15)

A bíblia NUNCA TEVE UM PROBLEMA COM A RIQUEZA. O que a bíblia disciplina é o COMPORTAMENTO tanto de pessoas pobres, como de pessoas ricas e indica que o amor aos bens materiais é que leva as pessoas à ruína.(1 Tim. 6:17, Provébios 3:9)
Ademais a bíblia afirma fundamentalmente que TODOS pecam, então a pobreza não representa automaticamente a justiça, a retidão, a honestidade e assim por diante. O ser humano do ponto de vista bíblico é intelectual, moral e psicologicamente mais complexo e por isso não simplesmente descrito como “pobre trabalhador oprimido, ou rico malvadão opressor” é justamente por isso que mais tarde em suas história o socialismo apontará a religião como instrumento de opressão.

2) A justiça, o amor e a liberdade

O comunismo não prega amor, prega DITADURA e revolução armada, com a morte iminente dos ditos “opressores”

“ Mas a burguesia não forjou apenas as armas que lhe trazem a morte; também gerou os homens que manejarão essas armas — os operários modernos, os proletários.”
É natural que o proletariado de cada país deva, antes de tudo, liquidar a sua própria burguesia.”
(
Manifesto do Partido Comunista — I.Burgueses e Proletários.)

“Compreende-se que nos conflitos sangrentos que estão iminentes, como em todos os anteriores, são principalmente os operários que, pela sua coragem, a sua decisão e abnegação, terão de conquistar a vitória” (…)
Durante o conflito e imediatamente após o combate, os operários, antes de tudo e tanto quanto possível, têm de agir contra a pacificação burguesa e obrigar os democratas a executar as suas atuais frases terroristas.”
(
Mensagem da Direção Central à Liga dos Comunistas — março 1850)

Já o cristianismo prega formas pacíficas de resoluções de conflitos. Não toma como princípio que um conflito se resolverá matando a parte adversária. Ao contrário do comunismo o que determina a identificação cristã é evitar ao máximo o conflito, e o reconhecimento de que os tais “burgueses” não são mais ou menos pecadores do que pobres.

— “ Se for possível, quanto estiver em vós, tende paz com todos os homens.” (Romanos 12:18)
— “Com isso todos saberão que vocês são meus discípulos, se vocês se amarem uns aos outros”. (João 13:35)
— “ Todavia, se cumprirdes, conforme a Escritura, a lei real: Amarás a teu próximo como a ti mesmo, bem fazeis. Mas, se fazeis acepção de pessoas, cometeis pecado, e sois redargüidos pela lei como transgressores.
(Tiago 2:8,9)
— “Procura a paz e empenha-te por ela.” (Salmo 34:14)

Somente esses aspectos já seriam suficientes para determinar que o cristianismo difere FUNDAMENTALMENTE do socialismo. Pra piorar a situação do fraudador não existe um dado mínimo da realidade de que comunistas ou socialistas se preocupavam mais com os pobres do que qualquer outra pessoa. Os lideres socialistas desde o século XX até à atualidade tem demonstrado precisamente o contário.
No próximo artigo prosseguiremos abordando mais pontos fundamentais entre ambos, que não apenas demonstram diferenças mas uma tremenda OPOSIÇÃO entre ambos. No último artigo responderemos as fraudes mais comuns que acompanham a principal.
Até lá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>