COMBATE Á NATUREZA HUMANA E O ABORTO PARA SE IGUALAR AO HOMEM

Livro: O outro lado do feminismo – Suzanne Venker e Phyllys Schlafly





É importante entender os objetivos das feministas, pois elas não são menos ambiciosa hoje. Os três princípios dominantes do movimento feminista impregnaram em nossa sociedade. Já abordamos o primeiro dele: as feministas estão aprisionados pela visão negativa sobre a mulher em seu lugar no mundo. Essa visão foi bem explicada em uma propaganda feita pela organização Nacional das mulheres (NOW) publicado em muitas revistas e jornais  durante os anos de 1970. A propaganda exibia uma menina encantadora de cabelos cacheados e tinha a seguinte legenda: “essa bebê saudável e normal tem uma deficiência. Ela nasceu menina”.

Este é o princípio básico e provocador de brigas do feminismo que diz que alguém – não é claro quem, talvez Deus, talvez o governo, talvez uma conspiração de porcos machista deu um golpe baixo nas mulheres, tornando-as do sexo feminino. Assim, as mulheres devem atirar exigências na sociedade, a fim de arrancar o status de dentro de uma estrutura social Imparcial masculina, status que tem sido injustamente negado as mulheres ao longo dos séculos. As feministas atingem esse objetivo através da geração de conflitos – nas legislaturas, nos tribunais, nas escolas, nas universidades e no local de trabalho que ainda enfrentamos atualmente.

O segundo princípio do feminismo é que, entre todas as injustiças perpetuada sobre as mulheres ao longo dos séculos, a mais opressiva é que as mulheres podem gerar filhos e os homens não. A abolição dessa desigualdade é o objetivo principal. É por isso que as mulheres da esquerda estão compulsivamente determinada a tornar o aborto e a opção de crechê disponíveis para todas as mulheres – e financiado pelos contribuintes. As mulheres de esquerda acreditam que podem alcançar a igualdade com os homens somente se puderem controlar o número de filhos ( por meio de contracepção e aborto ) e se puderem terceirizar o cuidado (através de babá ou creche) dos bebês que tiverem. Acabe com os bebês e o objetivo de igualdade será alcançado.

O terceiro princípio do feminismo é que não existe diferença entre homens e mulheres exceto por seus órgãos sexuais. Todas aquelas diferenças físicas, cognitivas e emocionais que você pensa que existem são meramente conceitos sociais, resultado de século de restrições e estereótipos impostos por uma sociedade dominada por homens. É por isso que as feministas ficam na defensiva quando uma nova pesquisa publicada comprova as diferenças inatas entre homens e mulheres também é por isso que elas tentam acabar com o subsídios para pesquisadores que possam descobrir provas dessas diferenças. As feministas se chateiam com qualquer argumento que demonstre que homens e mulheres não são intercambiáveis. As evidências de diferença congênitas interferem com a esperança de criar uma nova sociedade.

Por exemplo, em uma entrevista recente, perguntaram a Glória Steinem sua opinião sobre as últimas pesquisas sobre os cérebros masculinos e femininos, que mostram uma distinção evidente e inegável entre machos e fêmeas. A resposta da Steinem? “Olha, cada vez que acontece um avanço, acontece um retrocesso. Agora vemos outro retrocesso,  o cérebro, as diferenças cerebrais, as diferenças de gênero com foco no cérebro. Mesmo se estiverem certos, não precisa continuar a ser assim. O que faz dos seres humanos a espécie sobrevivente por todo esse tempo foi nossa capacidade de adaptação.

Quando o entrevistador pressionou e perguntou “mas não há diferenças inerentes das quais não podemos ignorar? ” Steinem respondeu: “a sociedade com certeza pode interferir culturalmente para mudar esse comportamento”. A negação é o argumento final de uma feminista. A esta altura, você achava que as mulheres aceitariam as diferenças de gênero como reais, mas elas não aceitam e nunca aceitaram em seu livro publicado em 2010, a doutora Louann Brizendine explica a mais recente pesquisa que mostra como o cérebro masculino se diferencia do cérebro feminino (Ela também escreveu um livro anterior a este chamado “como as mulheres pensam”). As influências comportamentais dos hormônios masculinos e femininos no cérebro são essenciais.

Na verdade é que as diferenças de gênero são a coisa mais natural do mundo, e americanos inteligentes admitem essas diferenças, em vez de combatê-las. Aceitar que homens e mulheres são diferentes não significa que mulheres não possam ser médicas ou engenheiras e que homens não podem ser pais em tempo integral. Significa apenas que talvez mais homens que mulheres gostam de engenharia, talvez mais mulheres do que homens que irão ficar em casa com filho, e mais homens que mulheres têm uma libido mais forte. As mulheres que queiram criar os próprios filhos em vez de terceirizar essa tarefa contratando ajuda são a principal da discórdia das feministas com as mulheres americanas. As feministas não desejam que as mulheres queiram ficar com os filhos, pois isso estraga o plano de mudar a sociedade. Em 1976, o símbolo feminista (e marxista) francês, Simone de Beauvoir foi tão ousada a ponto de dizer que “nenhuma mulher deveria ser autorizada a ficar em casa para criar os filhos. As mulheres não deveriam ter essa escolha, porque se ha tal escolha, muitas mulheres optaram por ela.” Não pense que essa mentalidade não exista mais. Apenas alguns anos atrás, Linda Hirshman, professora aposentada de Filosofia de estudo das mulheres da Universidade Brandeis, disse: “Acho um erro essas mulheres altamente qualificadas e talentosa fazerem essa escolha (de ficar em casa). O lugar de um adulto instruído e competente é no escritório.”



Camila

About Camila Abdo

Jornalista (MTB - 0083932/SP; Associação Brasileira de Jornalista -ABJ- 2457) , com cursos nas áreas de jornalismo digital, jornal impresso, fundamentos do jornalismo, jornalismo investigativo, assessoria de imprensa e comunicação interna. Estudante de direito (Unip) e história (Anhanguera), possuo diversos cursos de especialização na área de psicologia/psicopatologia, entre eles: urgências psiquiátricas, perícias criminais, psicopatologia da infância e adolescência, transtornos de personalidade, terapia cognitivo-comportamental, psicanálise: teoria e técnica, gestalt terapia, criminologia, sexualidade - normal e patológica, psicofarmacologia, psicologia forense, neuroanatomia, abuso sexual infantil, predadores sexuais, psicologia social e violência doméstica, enfermagem em saúde mental, medicina legal e psicologia penitenciária. Certificado INBOUND pela HUBSPOT ACADEMY. Meu canal: https://www.youtube.com/c/CamilaAbdoCalvo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>